.

keynes5.jpg (4770 bytes)John Maynard Keynes

O mais importante economista da primeira metade do século XX foi, sem dúvida, John Maynard Keynes (1883-1946), o filho de um professor de economia, John Neville Keynes, que nascera destinado a influenciar massivamente tanto na economia de seu país, a Grã-Bretanha, como nos Estados Unidos. Com exceção de Karl Marx, nenhum outro homem em toda literatura econômica causou tanto furor quanto ele, tanto na teoria como na prática econômica. O impacto de seu trabalho sobre o pensamento político e a formulação da política em quase todas as nações capitalistas. O último de seus escritos sobre a teoria econômica e também o mais importante surgiu em 1936, titulado "The General Theory of Employment, Interest and Money" (Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro). Keynes provocou adorações de uns e severa crítica de outros. Foi elogiado pela maioria das coisas boas e considerado culpado por muitas das coisas más que se tornaram parte da política nacional durante as duas últimas décadas. A dinâmica de suas teorias provocou a formação de um forte grupo pró-Keynes, enquanto os pontos vulneráveis das mesmas, juntamente com o que expressam ou implicam no tocante à ação governamental, produziram um forte grupo anti-Keynes. Anterior ao pensamento revolucionário keynesiano, a "Microeconomia" pressupunha que as forças de oferta e de procura provocariam automaticamente ajustes para o equilíbrio em todos os preços e valores, plena utilização dos fatores de produção, e um preço de equilíbrio para o uso de cada um. Os desvios desses níveis eram considerados temporários. De modo geral, a análise anterior do preço e do valor assentava-se em hipóteses baseadas no laissez faire e a aplicação de tal teoria implicava uma política de laissez faire e a perfeita mobilidade dos fatores no seio de uma economia auto-reguladora. Poderia-se exemplificar como casos específicos da Microeconomia a procura pelo trigo ou o nível salarial de uma determinada indústria. Por outra visão, a "Macroeconomia" cuidava dos totais ou agregados. Tratava da renda nacional total segundo é afetada pelos gastos e poupanças totais. A Microeconomia está incorporada a esta. Observa o comportamento da economia total e reconhece que o dano de uma das partes é prejudicial ao todo. A idéia de fluxo é da mais alta importância pelo fato de que a renda total nacional da sociedade deve ser mantida em certos níveis para garantir os níveis desejados de investimentos, economias e emprego. É uma espécie de conceito de equilíbrio geral no total todo elemento da economia depende de todos os demais elementos. Contrariando a Microeconomia , não aceita o laissez faire, considerando-o, na verdade, uma filosofia inteiramente indigna de confiança e que pode ser julgada grandemente responsável pelas violentas perturbações no nível das atividades comerciais e pelo desemprego subseqüente. Contudo, a Macroeconomia é anterior a Keynes. A teoria dos ciclos comerciais, seja ela monetária ou não em sua maneira de apreciar a questão , interessa-se primordialmente pelos problemas das rendas e empregos flutuantes; esses problemas preocuparam os economistas por muitos anos. Os estudos primitivos sobre os ciclos comerciais raramente empregaram evidência empírica, mas pelo menos nos Estados Unidos a macroanálise existiu durante meio século. Keynes fez a ênfase recair inteiramente sobre os níveis das rendas segundo afetavam os níveis de emprego, o que constitui, naturalmente, uma ênfase diferente da encontrada nos estudos anteriores. É provavelmente verídico que toda a economia keynesiana tenha-se destinado a encontrar as causas e curas para o desemprego periódico. Keynes não encontro solução alguma para o problema em quaisquer trabalhos sobre Economia Política então existentes, sendo os seus esforços, portanto, grandemente exploratórios. Desviou-se claramente da maioria das Economias anteriores, até mesmo da de seu professor, Alfred Marshall, a qual era considerada pela maior parte dos eruditos quase sacrossanta. É verdade que muitas de suas idéias combinaram com as dos economistas anteriores, como Lauderdale, Malthus, Rae, Sismondi, Say, Quesnay e outros. Keynes combinou suas próprias teorias e os desenvolvimentos anteriores em uma análise que ocasionou transformações na Economia aceita em grau que raiou pela revolução.

 

Voltar à lista

 

... John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro John Maynard Keynes keynesiana Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynees Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes Keynes